terça-feira, 5 de março de 2019

Saúde da Mãe e do Bebê - Cuidados Antes e Durante a Gravidez

A mulher que deseja engravidar precisa sempre fazer acompanhamento médico e garantir que sua saúde vai bem, para não interferir na gestação e no desenvolvimento do bebê.

como cuidar da sáude da mãe e do bebê


Cuidados com o corpo e com a alimentação são fundamentais nessa fase da vida.

Mulheres com excesso de gordura devem emagrecer e as que fumam, ingerem bebidas alcoólicas em excesso ou usam qualquer outro tipo de droga devem parar.

Os cuidados na gravidez são fundamentais para garantir segurança e conforto.

Durante a gestação, a mulher não pode deixar de fazer o pré-natal certinho todo mês.

Ele deve ser realizado desde o primeiro dia em que a mulher descobre estar grávida e cada diferença deve ser relatada para seu ginecologista pessoal.

O pré-natal é a principal maneira de garantir uma gravidez monitorada e segura

 


Sobre a alimentação, é importante ressaltar que, durante a gravidez, as necessidades energéticas e corporais mudam, de forma que o organismo se ajusta para propiciar um ambiente adequado para o crescimento do feto e para a amamentação depois do nascimento da criança.

Por isso, as necessidades nutricionais devem ser aumentadas, já que é necessário suprir a demanda adicional do feto em crescimento.

Para ter mais cuidados na gravidez, é recomendável consumir aproximadamente 80.000 calorias, o que significa um aumento do consumo calórico de aproximadamente 300 calorias por dia, para grávidas com peso normal no início da gestação.

Os primeiros três meses são os mais perigosos, pois é nessa fase que acontece a maioria dos abortos espontâneos e ameaças de aborto.

A mãe deve se preocupar nesse momento e levar a sério as recomendações médicas.

É preciso evitar o consumo de cafeína e drogas, além de não entrar em contato com produtos químicos e fazer automedicação.

A mulher que tomar os cuidados na gravidez e seguir as recomendações adequadas, tendo uma boa alimentação e não deixar de lado o pré-natal tem mais chances de seguir com uma gestação segura e bem-sucedida.

É fundamental, nessa fase da vida, priorizar a saúde e segurança da mãe e do bebê.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

28 Dicas para Arrumar um BOM Namorado em 2019




Já está cansada de ficar sozinha no dia dos namorados?

Já fez mil simpatias para o Santo Antônio e não arrumou nenhum namorado decente?

Então vou te ajudar. :)


Dicas para arrumar um bom namorado

Segue Lista de Dicas para Arrumar Namorado


1.  Antes de mais nada, esteja certa de que você realmente quer se comprometer com um namoro, com todos os prazeres mas também com todos os conflitos naturais de qualquer relação.


2.  Verifique como anda sua autoestima. Olhe-se bem no espelho. Você acha que vale a pena alguém ficar com você? Se você não gosta de si, como vai deixar que alguém goste?


3.  Saiba diferenciar o que você pode fazer e o que não pode para melhorar a sua autoestima. Pintar o cabelo, roupa nova, emagrecer, são coisas possíveis. Mas se você é baixinha e se martiriza por isso, trate de aceitar a sua própria altura.

4.  Quando você gosta de si, se acha gostosa e agradável de verdade, é fácil que alguém se interesse por você.


5.  Imagine exatamente como é o homem que você quer. Como ele é? Fisicamente, seu jeitão, o signo. Deixe guardada essa imagem  na sua memória. Isto lhe dará um foco mental,  ajudando-a a reconhecê-lo quando estiver na sua frente.


6.  Você já deve ter passado por algumas relações. Faça uma avaliação do que valeu a pena e do que não valeu. Tenha bastante claro o que você não quer que se repita numa próxima relação.


7.  Quando você se sentir atraída por algum cara, pergunte-se se você não está repetindo alguma história que não lhe convém. Siga seus instintos, mas saiba usar a cabeça também.




8.  Não queira que o homem se comporte como você se comportaria. Os homens são mais livres, não gostam de escutar conselhos e precisam sempre de um tempo para ficar sozinhos.


9.  Não seja professoral, ensinando o que é bom e o que não é bom para ele. Se você quer dar um conselho, espere que ele lhe peça. Senão, é bem capaz dele achar que você é muito chata.


10. Saiba equilibrar a sua vontade de protegê-lo com espaços para que você fique na sua. Se você estiver sempre disponível, ele não irá valorizá-la.


11. Mesmo que seu desejo por ele seja muito grande, não o demonstre todo de uma só vez. Vá de conta-gotas. Assim você vai deixando o gato muito louco de desejo.

12. Entregar-se de uma só vez não é uma boa estratégia para fisgar um namorado. Tudo o que é muito fácil perde o valor. Por isso, vá se abrindo aos poucos e assim a sua conquista pode ser mais sólida.



13. Nos primeiros contatos evite assuntos polêmicos como religião ou política. Quando o tema envolve crenças ou convicções, é fácil criar atrito. É melhor que os primeiros papos sejam mais agradáveis.
14. Nos primeiros encontros não fale de problemas pessoais ou profissionais. Reclamar das suas coisas pode ser pesado e pouco romântico.

15. Use e abuse do bom humor. Solte o seu lado de criança brincalhona. Dê muita risada. Crie, desta forma, mais intimidade com ele.

16. Se você faz terapia ou se toma algum antidepressivo, ele não precisa saber logo de cara. Espere adquirir mais confiança antes de falar de assuntos mais profundos.

17. Se você quer se aproximar do mundo masculino, fale de coisas mais objetivas como trabalho, esporte, carro. Assuntos que envolvam mais emoção  e sensibilidade podem atrapalhá-lo um pouco.

18. Arrumar a gola do paletó ou a gravata pode ser um jeito simpático de cuidar dele. Isso demonstra seu lado feminino. Acostume-o a ser bem tratado por você.

19. Olhares marotos, caras de sapeca, podem convencê-lo, pouco a pouco, que estar com você pode ser uma aventura e tanto.

20. Se o rapaz é tímido, pode estar torcendo para que você tome alguma atitude. Puxe conversa, sem ser muito atirada, respeitando o ritmo dele.

21. Os homens muito bonitos e extrovertidos têm mais facilidade na paquera e pouca tendência à fidelidade. Os mais introvertidos costumam se fixar mais numa relação.

22. São muitos os homens que estão alérgicos ao compromisso. É estratégico que você dê corda para a relação, sem pressioná-los com muitas cobranças.Conquiste-os sem que percebam.

23. Os homens estão bem assustados e confusos com a independência e a ousadia das mulheres. Por isso, saiba cultivar o seu lado suave. Eles ainda gostam muito de mulheres femininas.

24. Mantenha sempre a sua autoestima e dignidade. Assim, mesmo quando ele está vacilando se a quer ou não, você tem elementos internos para dar a volta por cima.

25. Se tiver que reclamar da vida, procure uma amiga ou um terapeuta. Não é sábio que você o atormente com suas ladainhas.

26. Os homens falam em média 7 mil palavras por dia, enquanto que as mulheres, 20 mil. Diante desta diferença brutal, saiba respeitar o silêncio que ele tanto precisa.

27. Se ele lhe pede um tempo para ficar só, não encare isto como um final. Deixe que ele vá e peça, sem dramas,  para que ele volte. De preferência use todo o seu bom humor.

28. Os homens adoram solucionar coisas para você. Gostam de sentirem-se úteis. Por isso, deixe que eles a ajudem.

E aí, gostou das dicas?

Agora é hora de colocar em prática.

Veja qual as mais se enquadram para você e comece a investir sua energia para arrumar seu novo namorado ainda este ano.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Eu Odeio o Dia dos Namorados (e Você?)


Kara, personagem do filme “Idas e Vindas do Amor” de 2010

Você deve ter lido o título e pensado que foi escrito por uma moça toda trabalhada no recalque – já que essa expressão parece ter caído no gosto dos internautas – porque está solteira no dia dos namorados.

Como a Kara, interpretada pela Jessica Biel no filme “Idas e Vindas do Amor”.

Não é o caso. :)

Esse já é meu terceiro 12 de junho acompanhada e minha percepção sobre esse dia continua a mesma de antes.

Veja o trailer do filme de alguém que odeia o dia dos namorados





Minha primeira implicância não é exclusivamente com o dia dos namorados, mas com todas as datas comemorativas que nos forçam a trocar presentes e carinho.

Não que eu não goste dessas coisas, obviamente.

A questão é que eu prezo a espontaneidade. Todos concordarão comigo que temos que expressar nossos sentimentos sempre, não uma vez por ano, em uma data específica definida por sabe-se quem.

Um abraço espontâneo me apetece muito mais do que um abraço no meu aniversário.

Um presente sem motivo me agrada muito mais do que um presente de natal.

Um recadinho carinhoso na porta da geladeira me deixa muito mais feliz do que um elaborado cartão de dia dos namorados.

Outra coisa que colabora para essa minha implicância é o fato de eu não ser – ou não achar que sou – boa para escolher presentes.

A obrigatoriedade e a pressão não ajudam: 

  • há um prazo e a necessidade de se escolher algo que agrade o presenteado e seja equivalente ao que ele vai te dar. Poucas coisas são mais desagradáveis do que comprar algo simples e ganhar um presentão ou vice-e-versa. 

Pior ainda é perceber que a pessoa não curtiu. :(

Aqui, abro um parênteses: eu gosto de presentear e ser presenteada, mas novamente prefiro a espontaneidade e a surpresa de um presente inesperado.

Como eu disse, essas coisas não são exclusivas do dia dos namorados, então vamos ser mais específicos.

Outra obrigatoriedade que essa data traz são os tais jantares românticos


Eu não cozinho, nem meu namorado. Restaurantes estão fora de cogitação.

Ao fim desse texto, vocês vão me achar a pessoa mais implicante desse mundo, mas confesso: não gosto de lugares lotados.

Sou acostumada à cidade pequena, não curto multidões, muito menos filas.

Para mim, esperar por uma mesa em um restaurante é impensável e não consigo entender como um jantar pode ser romântico se você tem que gritar para ser ouvido por causa do barulho alheio.

Outra questão é a tal da data  do dia dos namorados (que nem feriado é  . . .)


Tomemos hoje como exemplo, um dia dos namorados em plena quarta-feira.

Em geral, as pessoas trabalham/estudam hoje e amanhã, e aposto que prefeririam comemorar no final de semana.

Sim, é bacana fazer algo diferente no meio da semana, mas e se essa for justamente uma semana atarefada?

Para mim e tantos outros universitários, estamos em pleno final de semestre. Além do mais, existem muitos casais que não poderão estar juntos nesse dia, como é o meu caso.

Por fim, temos as pessoas solteiras


Não qualquer gente solteira, claro, mas aquelas que acham que tem algo de errado nisso e querem desesperadamente um namorado para chamar de seu.

Para que, gente?

Namorar é legal, mas ser solteiro é legal também.

Será que as pessoas querem mesmo um arrumar namorado ou se sentem pressionadas a terem um?

Às vésperas do dia dos namorados, escuto muito comentário carente e exagerado ou aquelas clássicas mentiras deslavadas.

Mas o que mais me incomoda são os comentários recalcados de gente que odeia ser solteira, mas acha que convence os outros do contrário.

Essas coisas me incomodam porque eu penso duas coisas: primeiro, temos que nos aceitar e assumir como somos; e segundo, nossa felicidade não deve depender de ninguém senão de nós mesmos.

Corrigindo o título que foi claramente escolhido para chamar a atenção de vocês, eu não odeio o dia dos namorados, mas também não amo.

Eu prefiro a espontaneidade de um presente sem motivo, de um recadinho inesperado e de um “eu te amo” fora de contexto.

Meu mundo perfeito seria aquele em que não teríamos data marcada para demonstrar o que sentimos, em que assumiríamos quem somos e aprenderíamos a ser plenos por si só.

Um relacionamento feliz seria a cereja do bolo, mas nunca a massa, entendem minha metáfora sem vergonha?

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

5 Exercicios para Perder Culote na Cintura (Adeus Pneu)

O pneuzinho na barriga não é o único problema que as mulheres enfrentam. 
Outro grande vilão é o culote, localizado na região dos quadris. 

Perder ou diminuir essa gordura localizada na lateral é um dos maiores desafios, mesmo para as meninas que seguem firme um programa rígido de treino. 
A boa notícia é que, segundo Cássio Amaral, professor de educação física da rede de academias Smart Fit, existem algumas atividades específicas que podem ser a chave para acabar de vez com esse incômodo.
O professor explica que, de fato, às vezes as circunferências em outras áreas do corpo diminuem, mas o culote permanece. 
Porém, à medida que a musculatura da área se fortalece, a tendência é diminuir o acúmulo de gordura nessa região.
 “Treinos como o de bicicleta aceleram a perda sobre essa área, sobretudo se acompanhados de uma alimentação balanceada, rica em proteínas e fibras. Como a atividade de pedalar é aeróbia, ela utiliza gorduras como fonte energética, nesse caso as das coxas e glúteos, áreas mais acionadas”, explica. 
“Em paralelo, exercícios localizados ajudam a fortalecer os músculos posteriores da coxa, glúteos e abdutores, contribuindo para alcançar os resultados com mais eficácia”, explica o especialista.
Aos iniciantes o professor recomenda de duas a três séries de exercícios localizados, com 15 a 20 repetições para cada uma delas. 
“Antes de iniciar a atividade é importante fazer um aquecimento, como uma caminhada de cinco a 10 minutos. Dúvidas quanto à intensidade dos treinos ou à postura correta de execução devem ser repassadas a um profissional da área para evitar lesões”, reforça o educador físico.


Os principais exercícios para eliminar de vez o culote são:

Agachamento – Considerado um dos melhores exercícios para acabar com a gordura localizada na região dos quadris, o agachamento trabalha os posteriores da coxa e glúteos, e é feito com as duas pernas paralelas, imitando o movimento de sentar-se em uma cadeira. “É importante deixar a coluna ereta e observar os joelhos, que não podem passar da linha dos pés”, explica Cássio Amaral, da Smart Fit. A dica do especialista é usar uma cadeira ou um banco, que quanto mais baixo, mais exigirá dos músculos.
Quatro apoios – Também voltado para os músculos posteriores da coxa e glúteos, para executar este movimento deve-se apoiar os joelhos e cotovelos alinhados com os ombros e quadris em um colchonete. Em seguida, levante uma das pernas, sem esticá-la, simulando o movimento de subida e descida, como se estivesse empurrando o pé para o alto.
Aparelho abdutor – Este aparelho tem movimento específico para a musculatura dos glúteos, por isso ajuda na diminuição do culote. “Para um melhor resultado é preciso combiná-lo com uma atividade aeróbica, como bicicleta”, explica Cássio Amaral, da Smart Fit. Para fazer exercícios de abdução, basta posicionar o aparelho na parte externa das pernas e graduar a carga de acordo com a sua força.
Stiff – Para este exercício, em pé, com os pés paralelos próximos, segure o halter, flexione os quadris e projete o glúteo para trás. “Mantenha os joelhos semi-flexionados para não haver uma hiperextensão. A coluna deve estar sempre reta e o peito aberto”, explica o especialista.
Afundo – Leve o pé esquerdo para trás e realize o movimento de agachamento, mas levando um dos joelhos próximo ao chão. De acordo com o especialista da Smart Fit, alguns cuidados são essenciais neste exercício, como: não deixar o joelho da perna da frente ultrapassar a ponta do pé e cuidar para que a coluna fique sempre ereta.


quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Depilação sem Segredos para Mulheres (Aparelhos, Cera e + Dicas)


Uma pele lisinha e sem pelos por mais tempo é o sonho de muitas brasileiras.

Na Europa a depilação não é uma prática muito comum, talvez por causa do frio.

Mas no Brasil é considerada uma questão de higiene.

É levado tão a sério que os europeus e americanos chamam a depilação total (virilha toda, além da linha do biquíni) de Brazilian (depilação à brasileira, numa tradução livre).

Atualmente, há quatro tipos de remoção de pelos à disposição das mulheres.

Três deles podem ser feitos em casa: a lâmina, como com um aparelho de barbear normal, a cera, que usa aquelas tiras de plástico ou de borracha para arrancar os pelos e o depilador elétrico.

O quarto tipo é a depilação a laser, feito nos salões especializados.


Das três técnicas caseiras, a que comumente trás mais vantagens é aquela feita com o aparelho movido a algum tipo de eletricidade, e os motivos são vários.

Para começar, eles retiram os pelos de uma forma constante, assim protegendo a pele.

Não é como a lâmina ou a tira de plástico, que de cada vez que tocar a pele será de uma maneira diferente, podendo causar ferimentos.

É, portanto mais seguro.

Apesar de o custo ser muito maior do que com um barbeador ou com a cera, os pelos são removidos pela raiz, levando cerca de um mês para voltarem a crescer.

Com uma lâmina, eles já voltam a aparecer dentro de dois, três dias.

Assim como qualquer outro tipo de depilação, quanto mais usar o aparelho elétrico, menos pelos a região depilada vai ter ao longo do tempo, podendo reduzir a incidência de pelos pela metade do normal.

A sua praticidade também é inestimável, pois não é preciso água (para limpar a lâmina) ou calor (para derrete a cera).

Ainda elimina a necessidade de ter alguém para fazer isso, nem de esperar para os pelos crescerem novamente, como no uso da cera, e pode ser feito em qualquer lugar, sem fazer sujeira, sendo ideal para viagens.

Para obter o melhor resultado, alguns cuidados devem ser tomados, no entanto.

O aparelho deve ser passado na pele numa velocidade moderada, nem muito lentamente, nem muito rápido.

Deve-se seguir a direção dos pelos para evitar que eles se quebrem quando arrancados.

Durante o período menstrual, a pele está mais sensível e pode causar dor na hora da depilação.

Usar corretamente as partes do depilador (cabeças menores nas dobras) evitará ferimentos.

Um produto com aloe vera, ureia, mentol, azuleno ou cânfora deve ser usado na região depilada após o uso do aparelho.

Partes mais sensíveis como o buço (acima dos lábios) deve ser evitado, mas no geral um depilador elétrico pode ser usado em quase todo o corpo.

sábado, 29 de dezembro de 2018

5 Livros de Grandes Mulheres Feministas de Sucesso (Fortes, Lindas e Marcantes)

Faça uma pausa no que estiver fazendo e pense em todos os livros que você já leu na vida.

Os seus favoritos.

Os que não saem da sua cabeceira.

Os que você quer reler e indicar para todos os seus amigos.

Os que fizeram muito sucesso nesse ano e não saíram da lista dos mais vendidos.

Agora, pense em quantos desses livros foram escritos por mulheres.

Se o número, por alguma sorte, foi grande, é provável que você seja uma mulher.

Afinal, mulheres escrevem sobre outras mulheres para serem lidas apenas por mulheres.

livros de grandes mulheres


A abrangência de público e de tema é prerrogativa dos escritores homens, certo?


Eles sim, escrevem pra todo mundo, sobre o que quiserem, sem levarem o rótulo de ‘literatura masculina’.

O que eles fazem é simplesmente…literatura.

Enquanto nós ficamos em estantes separadas, com a placa indicando ‘livros de mulherzinha’.

Não que exista algum problema com os romances ou livros açucarados.

Mas todos nós deveríamos estar autorizados a criar longe de rótulos e etiquetas, certo?

No entanto, não é assim que o mercado editorial enxerga a situação.

Para conseguirem atingir uma diversidade maior de público ou escreverem sobre outros temas que fogem do clássico romance, as autoras são encorajadas pelas editoras a usarem apenas as iniciais dos seus nomes nas capas dos livros.

Em pleno século 21, para não espantarem os garotos na hora da compra, as escritoras precisam fingir que são homens para serem levadas a sério. A própria J.K. Rowling que o diga.

E ainda sobre o século atual, em uma coletânea recente sobre os autores contemporâneos que merecem ser lidos, da editora Dublinense, em uma lista de 101 escritores selecionados, apenas 14 são mulheres.

Ao questionar a lista, a blogueira Juliana Cunha acabou disparando uma polêmica nas redes sociais e uma forte reação dos organizadores da seleção, que se defenderam dizendo que

“não se preocuparam com a questão de gênero na hora da escolha”. 

Se formos observar mais de perto e tentar contabilizar quantas mulheres negras estão inseridas dentro desse número pequeno, o problema só se agrava.

Recentemente, ao ganhar o tradicional Prêmio Jabuti, Marina Colasanti relembrou em seu discurso que, desde a sua criação em 2008, essa foi a primeira edição a premiar uma mulher na sua categoria principal.

Com o aumento do número de mulheres alfabetizadas, como explicar a resistência do mercado em abrir as portas para as autoras, fazendo com que elas sejam menos publicadas e, assim, menos lembradas nas premiações e coletâneas, e menos lidas pelo público?

Dentro desse panorama em escala mundial, a escritora e ilustradora inglesa Joanna Walsh criou casualmente marcadores de página (esses que você viu na ilustração do post) e utilizou a hashtag #readwomen2014 no Twitter, ao comunicar-se com amigos que decidiram conhecer mais obras de escritoras.

A partir daí, a campanha ganhou popularidade e espalhou-se pela rede, em forma de apelo e alerta para o público sobre o assunto de livros femininos.

E para não deixar a campanha passar batido, antes tarde do que nunca, a 21 preparou uma lista de escritoras para você descobrir e trazer para a sua cabeceira.

Afinal, quanto mais mulheres lidas, mais mulheres publicadas e mais mulheres contempladas ao redor do mundo.

Vamos começar?

1- Sarah Dessen

Uma das características mais marcantes da obra de Sarah é que a maioria de suas histórias se passam no mesmo local fictício:

  • a cidade de Lakeview ou a praia próxima, Colby, fazendo com que personagens de diferentes livros acabem por se conhecer ou se esbarrar.

Se você adora easter eggs, já pode começar a  surtar!

lém disso, depois de tantas histórias ambientadas nos mesmos locais, nós, leitores, criamos  uma sensação de identificação com o cenário.

Sabemos direitinho onde fica cada loja, cada bar, cada  restaurante e nos sentimos em casa por ali. Outro ponto forte da escrita de Dessen é que seus romances voltados para jovens adultos são mais profundos do que o esperado nesse tipo de literatura.

É  interessante notar como suas personagens femininas, além de bem construídas e intrigantes, enfrentam  problemas familiares e pessoais de uma maneira que eu só posso descrever como ‘reais’, mas sem  esquecer o senso de humor, a narrativa dinâmica e os personagens secundários inesquecíveis.

Quem gosta  de John Green e similares, tá perdendo tempo ao não ler Sarah Dessen.

Por onde começar?  Just Listen.

2- Chimamanda Ngozi Adichie

Se não habitou a superfície de Marte nesse ano, com certeza você já ouviu falar de Chimamanda.

Um trecho da sua palestra no TEDxEuston “Todos nós deveríamos ser feministas”, muito popular no Youtube, foi incorporado à música “Flawless”, de Beyoncé, o que ocasionou uma certa paixão espontânea do mundo todo pelas palavras e pela figura da escritora nigeriana, que já publicou três grandes romances.



Assim como nas suas  palestras, o tom calmo, espirituoso e irônico da autora também está presente nas suas histórias publicadas, que mostram mulheres empoderadas que emergem de uma cultura machista e desbravam outros países sem esquecer as tradições locais do seu país de origem (a Nigéria, na maior parte das vezes).

Por denunciar temas difíceis como racismo, xenofobia e machismo sem esquecer de envolver o leitor na trama e por ser uma das vozes mais enriquecedoras culturalmente, ler Chimamanda é uma experiência social indispensável. Além de muitíssimo divertida.

Por onde começar? Americanah.

3 – Marjane Satrapi

Depois de Persépolis, história de quadrinhos de sucesso que virou filme indicado ao Oscar, Marjane ficou famosa por denunciar a repressão social e política que viveu durante a Revolução Iraniana em Teerã.

Usando um tom confessional, simples e objetivo, a autora, que ficou conhecida como a primeira iraniana a escrever e desenhar HQs, tem um talento único para contar histórias pessoais que se entrecruzam com a história do seu país.

Tudo isso usando apenas preto, branco e sombra.



Mas o que pouca gente sabe é que existe Satrapi além de Persépolis. Bordados (2005) e Frango com Ameixas (2006) são obras que seguem a mesma linha característica da escritora:

  • fazer com que aqueles que viveram sob o julgo da repressão, da crueldade e do preconceito social e de gênero no Irã nunca sejam esquecidos, através do olhos curiosos, revoltados e bem-humorados de uma garotinha. 
Por onde começar? Bordados.

4-  Rainbow Rowell

Rainbow já merece ganhar sua atenção apenas por ter o melhor nome da lista inteira.

Mas logo em seguida, também recomendo que você pare uns minutos para ler seus livros e te desafio a não querer ler até a lista de supermercado dessa moça.

É que as suas personagens são jovens mulheres tão encantadoras quanto inadequadas.

Elas não são as líderes de torcida e nem as nerds com óculos esquisitos, porque não cabem em nenhuma ponta dos estereótipos de meninas na literatura juvenil.

Por isso mesmo, é fácil se identificar com a timidez de Cath ou com os dramas familiares de Eleanor.

As garotas que saem das pontas dos dedos de Rowell são estranhas, desconfortáveis na própria pele e no próprio mundo que as cerca, mas justamente por isso, são as mais interessantes.

E suas histórias são tão densas, que o romance quase sempre fica no plano de fundo.

Em Eleanor & Park, também existe outro fator louvável: a coragem de unir o que é realmente diferente.

Eleanor é uma menina gorda, Park é um garoto asiático, e os contrastes sociais entre os dois são justamente o que os aproxima.

Conheça mais sobre as obras de Rainbow no seu site, que é tão lindo, que nem dá vontade de sair.

Por onde começar? Eleanor & Park.

5- Paula Pimenta

Única brasileira da lista, Paula Pimenta é um fenômeno editorial recente que merece todos os louros que vem recebendo.

Com a sua série Fazendo meu filme (2008-2012), Paula conseguiu o que ninguém achava possível no nosso país: fazer dinheiro e sucesso com literatura para adolescentes.

E literatura feminina, que trata sobre histórias de ‘amorzinho’, como a Fani diria.

A mesma literatura execrada por quem elitiza a literatura ou barra a entrada de mulheres nesse meio mostrou que pode, e muito, ensinar crianças e adolescentes a amar a leitura de calhamaços de mais de 300 páginas.

 Com coragem e criatividade de sobra, Paula combinou o que mais gostava nas comédias românticas hollywoodianas com um certo charme, uma certa graça que é a cara do Brasil. Fani, Léo, Gabi, Alberto, Nathália e muitos outros são tão cativantes, emocionantes e engraçados que seria impossível que não conquistassem milhares de leitores com suas histórias.

E, mais uma vez, o romance, mesmo sendo mais importante aqui, não sai na frente da personalidade, dos sonhos e da trajetória dos personagens.

Ponto pra Paula, que não só continua a lançar novos projetos o tempo todo e a emplacar novas séries, como também publicou uma versão em quadrinhos e em inglês de Fazendo meu Filme.

Nada mais merecido para Fani que ganhar o mundo. Além disso, Paula ainda inspira milhares de novos escritores no nosso país, mostrando que o sonho é sim, possível.


Por onde começar?  Fazendo meu filme 1 – A estreia de Fani.

Tem mais autoras que fogem do clássico para indicar?

Use os comentários e faça suas sugestões.

sábado, 11 de agosto de 2018

Como Ter Motivação para Emagrecer sem Sofrer (+ Incentivo)


Há muitas coisas difíceis de fazer na vida: 

estudar domingo à tarde é difícil, acordar às cinco e meia da manhã é difícil, fazer baliza em uma ladeira bastante inclinada é difícil… 

Mas alguma dessas coisas é tão difícil quanto emagrecer, independente de quantos quilos seja? 

motivação para emagrecer

Para boa parte das pessoas, eliminar essa gordurinha extra dói mais do que bater o dedo mindinho no canto da cama.

Acontece que emagrecer requer que a gente inclua na nossa rotina uma série de coisas não tão legais assim: uma alimentação bem mais saudável, exercícios físicos frequentes, horários rígidos para as refeições… 

Mas acontece que tudo isso se torna mais difícil porque nós, desde o início, sempre acreditamos que todo esse processo é mesmo insuportável.

Então, no fim das contas, tem como conseguir emagrecer sem sofrer o pão integral que o diabo amassou?

Na verdade, depende de você. 

Confira algumas dicas para conseguir ir em frente e conseguir seus resultados sem (tanto) sofrimento.

Descubra alguma atividade que goste de executar.

Não adianta pensar que só é bom em praticar levantamento de garfo e maratona de filmes do sofá com um balde de pipoca do lado… 

Você precisa se mexer! E também não vale desistir no primeiro exercício de tentar. 

Você tem experimentar várias opções até descobrir alguma atividade que minimamente suporte praticar – até porque, se você for um sedentário por natureza, dificilmente vai amar com todo o seu coração algum exercício, ao menos no início. 

Então, pesquise bastante e foque naquela atividade que te dê menos preguiça de levantar da cama. Também vale testar vários horários, até descobrir em que parte do dia você pode cumular o tempo livre com a maior disposição física.

Encontre algum incentivo para manter a motivação

Toda vez que bater aquela preguiça de se exercitar, reveja as suas fotos de quando você tinha 15 anos e ainda vestia calça n° 38. 

Depois, vá até o guarda-roupa e veja que agora ele foi dominado pelo n° 42. De repente isso pode te dar uma vontade louca de correr para a academia, não é?

 Ou então, pesquise na internet sobre os malefícios daquele hambúrguer ou da batata-frita; leia histórias de pessoas que perderam 20kg; tente correr sem ofegar por mais de 5 minutos. 

Você precisa encontrar algo que funcione como tratamento de choque psicológico. 

Ou seja: procure qualquer coisa que lhe dê determinação para pensar “eu posso e eu quero mudar meu estilo de vida”.

E, por último e mais importante: tenha paciência

Sabe aquela história que todo mundo conta sobre você se acostumar (e até gostar) do exercício físico depois de um tempo? 

Ou então quando falam que a sua saúde melhora drasticamente com uma boa alimentação? 

Não é mito, podem confiar que é verdade! 

Coisas incríveis acontecem na sua vida a partir do primeiro mês após você dar adeus ao sedentarismo e encarar uma reeducação alimentar.
Clique para acessar a página oficial do livro Emagrecer de Vez

Vai chegar o inimaginável dia em que você se sentirá culpado quando algo te impedir de se exercitar – não é surreal?

E nada, absolutamente nada na vida dá mais prazer que subir um lance enorme de escadas sem ofegar; melhor que isso, talvez, só acabar de comer sem ficar com aquela sensação que engoliu uma melancia, já que você comeu coisas mais leves e na quantidade necessária. 

Com o tempo, as horas na academia e em frente a um prato de salada serão recompensadas!

Dependendo das suas manias do dia-a-dia e da sua personalidade, você pode encontrar outras formas de incentivo. 

Não se esqueça de procurar profissionais para lhe ajudar nas mudanças, porque exercícios físicos e reeducação alimentar não são só cuidados com a beleza: antes de tudo, são meios de ser saudável. 

Mas também se lembre: o primeiro passo para tudo é convencer a si mesmo que você consegue.